Nem Tudo Que Reluz É Ouro

Nem tudo que seduz é ouro;
Às vezes é palpitação.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Nem tudo que reluz é ouro;
Às vezes é amanhecer.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Nem tudo se reduz a ouro;
Às vezes é Amazônia.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Nem tudo que reluz é ouro;
Às vezes é noite.

 

 

 

 

 

 

 

Nem tudo que reluz é ouro;
Às vezes é amor em chamas.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Nem tudo que reluz é ouro;
Às vezes é mistério.

 

 

 

 

 

 

 

Nem tudo que reluz é ouro;
Às vezes é pintura de sol.

 

 

 

 

 

 

 

Nem tudo que reluz é ouro;
Às vezes é uma poça d’água.

 

 

 

 

 

 

 

Nem tudo que reluz é ouro
Às vezes é teu reflexo.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Nem tudo que reluz é ouro
Às vezes é tirania.

 

 

 

 

 

 

 

Nem tudo que reluz é ouro
Às vezes é sombra
Que nos seduz.

 

 

 

 

 

 

 

Nem tudo que seduz é ouro;
Às vezes é movimento.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Nem tudo se reduz a ouro;
Às vezes só a uma esperada esperança.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Nem tudo que reluz é ouro;
às vezes é sol numa velha veneziana.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Nem tudo o que reluz é ouro;
Às vezes é sinalização d’um barco.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Nem tudo que reluz é ouro;
Às vezes é uma estrela, às vezes é um novo sonho.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Nem tudo que reluz é ouro;
Às vezes é chuva bendita que molha o que já morreu.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Nem tudo que reluz é ouro;
Às vezes é amanhecer indo embora, deixando as mãos vazias para quem não encheu o coração.

 

 

 

 

 

 

 

Nem tudo que reluz é ouro;
Às vezes é pneu.