Prosa

O Troféu de Ouro

Ano de 2022

Ao redor de um mundo em chamas
Eis os ilustres jogadores.
A conclusão é sua,
Humilíssimo peão.

Uma mesa de pôquer. 
Sobre ela balança um lustre de metal verde por fora e creme por dentro. Uma luz amarelada, fúnebre, ilumina aquele ambiente sombrio enfumaçado pelos cigarros e charutos cubanos.
Os homens mais velhos, sentados em volta de uma mesa redonda, vestidos a rigor, fazem suas apostas. 
São jogadores com caras macilentas, olhos esbugalhados, opacos, avermelhados de ódio. Estiveram quase toda a vida naquele ambiente infernal. Ali bebem, gritam, blasfemam, fumam e cospem em suas Escarradeira de Ouro com as bordas cravejadas de diamantes, colocadas ao lado de suas cadeiras. 
Cada qual se orgulha e se vangloria de possuir a Escarradeira de Ouro mais bem trabalhada em ouro e diamante: a mais cara.
No centro e sobre a mesa está o mapa-múndi. 


Atrás deles, em pé, os do segundo escalão: acompanham o jogo, blasfemando. Dão palpites em voz alta para irritar os adversários ou, em sussurro, avisam o “parsa” que está sentado, do perigo que se afigura, para serem cúmplices e, no futuro, receberem deles as benesses. Eles também fumam seus charutos, de marca inferior, é claro, e não lhes é permitido cuspir nas Escarradeiras de Ouro – objeto restrito apenas aos que estão sentados – mas, os mais fiéis têm a honra de limpá-las e lustrá-las por fora. É quando se aproveitam e escarram às escondidas.
Embora torçam pela vitória de um, torcem, na verdade, pela morte de qualquer um, abrindo vaga para si, sem antes aniquilar os mais adiantados na disputa.
Logo atrás, o terceiro círculo vai se formando:

São jovens ainda que apenas espiam as jogadas, olham por entre as cabeças dos da frente. Pouco conseguem ver as jogadas sobre o tabuleiro do mundo que ora é dividido de um jeito, ora de outro, conforme se alterna o volume dentro das Escarradeiras de Ouro.
Esses jovens já começam a tossir e preparar suas gargantas, cuspindo apenas uma baba pouco viscosa, quase transparente e muito pouco pegajosa.
Cospem nos pés uns dos outros por estarem muito longe das Escarradeiras de Ouro. Às vezes se irritam uns com os outros e, num impulso brutal e desumano, animalesco mesmo, brigam. Geralmente são apartados pelos que estão logo à frente, mas outras vezes, o golpe é tão rápido e certeiro que o inimigo tomba ao chão, morto, ensanguentado. Seu corpo é retirado do local e o sangue, imediatamente camuflado com grossas camadas de serragem por cima. Com o tempo a serragem vai absorvendo aquele sangue, até que uma mancha vermelha surge na superfície, na parte mais externa. Não há como lavar o sangue derramado, apenas encobri-lo.
Na rua, do outro lado de uma única vidraça esbranquiçada, os transeuntes espiam o que acontece dentro. Alguns espiam e logo partem, outros tentam saber algo encostando o ouvido, mas nada ouvem além de blasfêmia e, frustrados, partem também e outros ainda, espiam, escutam e ficam por ali tentando saber alguma notícia por um ou outro pivete que sai da casa correndo, com pacotinhos em baixo da camisa e que, sem saber, não voltará vivo depois de levar a encomenda para um certo alguém desconhecido. Volta e meia a porta se abre e um corpo enrolado em um saco preto de lixo é jogado na sarjeta, mas ninguém ousa abrir para reconhecer quem é. O lixeiro, indiferente, passa e recolhe o saco.
Mais adiante, na esquina, jornaleiros de um lado e de outro, gritam mentiras dizendo conhecerem toda a verdade, saberem tudo o que acontece dentro daquele recinto, através de fontes seguras e confiáveis, porém jamais são reveladas.
Eles abordam os transeuntes que, se distraídos param, são imediatamente capturados pelo terror da notícia, porém, se não param, são apedrejados.

fotógrafa Rita Marília

92 anos – George Soros ( 1930 ) – Hungria
92 anos – José Sarney ( 1930 ) – Brasil
91 anos – Fernando Henrique Cardoso ( 1931 ) – Brasil
91 anos – Raul Castro ( 1931 ) – Cuba

80 anos – Joe Biden ( 1942 ) – USA


77 anos – Luiz Inácio Lula da Silva ( 1945 ) – Brasil
74 anos – Dilma Rousseff – ( 1947 ) – Brasil
70 anos – Vladimir Putin – ( 1952 ) – Rússia
69 anos – Xi Jinping ( 1953 ) – China
69 anos  – Cristina Kirchner ( 1953 ) – Argentina
68 anos – Angela Merkel ( 1954 ) – Alemanha
68 anos – Hugo Chávez ( 1954) – Venezuela,   

67 anos – Bill Gates ( 1955 ) – USA
67 anos – Jair Messias Bolsonaro ( 1955 ) – Brasil
65 anos – Fumio Kishida ( 1957 ) – Japão
63 anos – Alberto Fernández ( 1959 )  – Argentina
63 anos – Evo Morales ( 1959 ) – Bolívia
62 anos – Gustavo Petro (1960 ) – Colômbia – ex integrante da guerrilha M-19
61 anos – António Costa ( 1961 ) – primeiro ministro de Portugal
60 anos – Nicolás Maduro ( 1962 ) – Venezuela
59 anos – Luis Arce ( 1963 ) – Bolívia
58 anos – Boris Johnson – ( 1964 ) – Reino Unido ( americano de nascimento)
51 anos – Elon Musk ( 1971 ) – nascido na África do Sul naturalizado americano
50 anos – Pedro Sanchez ( 1972 ) – Espanha
45 anos – Emmanuel Macron ( 1977 ) – França
44 anos – Volodymyr Selensky – ( 1978 ) – Ucrânia
38 anos – Mark Zuckerberg ( 1984 ) – USA
36 anos – Gabriel Boric ( 1986 ) – Chile,

Prosa

Mistério

Fotógrafa Rita Marília – #ritamariliats

Na sala de parto um último grito, um silêncio, um choro.

Na penumbra do corredor, um homem de branco mostra, a outro homem, uma criancinha ainda envolta em um pano branco manchado de sangue.

Ao longe, na igrejinha da praça, os sinos dobram. São exatas seis horas da tarde: a hora da Ave-Maria.

11.04.2022