Outros Autores · Poema

Gentil Sofia (Balada )

Fia já minha Sofia,
Fia
"Enquanto eu faço esta ceia,
Eia!
Estás hoje com tamanha
Manha,
"Que não sais dessa janela;
Nela
"Queres ver os estudantes
Antes
"Do que acabar depressa
Essa
"Tarefa, que aí fica à banda,
Anda!...
"Pega já no teu serviço;
Isso!...
"Antes que as ventas te esbarre!
Arre!..."

Tal a velha muxibenta
Benta
Os seus ralhos redobrava
Brava,
Enquanto a gentil Sofia
Fia.
A coitada da netinha
Tinha
Em seu peito bem ocultos
Cultos
Que a ninguém revelava;
Lava
Que o seu peito todo inflama;
Flama
Que a trazia em mil apuros
Puros,
E abrindo sem receio
Seio,
Que reconhece os ardis,
Diz:

"Perdão minha avó materna
Terna,
"Se eu para meu repouso
Ouso
"Abrir de meu coração
São
"Os ocultos escaninhos,
Ninhos
"Em que amores eternos
Ternos
"Os cuidados que me aturdem
Urdem."
A isto a velha casmurra
Urra,
E com voz endiabrada
Brada:

"Disseste em palavras oucas
Ocas,
"Quanta asneira há neste imundo
Mundo.
"Menina, tão feias cousas
Ousas,
"Declarar a tua avó?
Oh!
"Se acaso de amor as chamas
Amas,
"Vai buscar noutros lugares
Ares,
"Que eu não ouvirei jamais
Ais
"De menina apaixonada
Nada!"

Mas Sofia lhe responde:
Onde
"Quereis agora que eu vá?...
Ah!
"Minha avó por piedade
Há de
"Escutar-me alguns instantes
Antes
"De me lançar para fora:
Ora
"O que a amar me levou
Vou
"Contar lavando esta louça;
Ouça...
"Vi um dia um moço lindo
Indo
"A passar nesta janela;
Nela
"Pregava um olhar inquieto
Quieto;
"Na guitarra um som vibrando
Brando
"De amor cantou-me diversos
Versos.
"Sua voz que tanto encanta,
Canta
"E diz com lindo reclamo
Amo!
"Em meu peito essa palavra
Lavra,
"E esta alma, que não sossega,
Cega.
"Depois nesta sua escrava
Crava
"Um olhar, de que morri;
Ri,
"E me diz - Eu serei teu
Eu!
"Serei tua: - lhe respondo
Pondo
"A mão sobre coração
São.
"E chegou-se muito esperto
Perto,
"E com toda a garridice
Disse:
"Tu és como a primorosa
Rosa
"Posta em vaso de alabastro;
Astro,
"Que me alumia o presente;
Ente
"Que eu mais prezo e mais anelo:
Elo
"De uma prisão suave;
Ave
"Que me canta mil divinos
Hinos,
"Anjo, que traz-me em delírio;
Lírio,
"Cujo seio puro estreme
Treme,
"Se a brisa dá-lhes sobejos
Beijos.
"Em torturas violentas
Lentas
"Antes eu numa masmorra
Morra,
"Do que ver quebrar os belos
Elos
"Do grilhão que amor prepara
Para
"Nossa união sempiterna
Terna."

A velha responde assim:
"Sim!
"Bem conheço esse insolente
Ente,
"Que insuflou-te tamanhas
Manhas,
"Eu acho no tal sujeito
Jeito,
"De quem nem um só vintém
Tem.
"Como homem que não se emprega
Prega
"Muita peta aos inocentes
Entes.
"Tu estás muito enganada....
Nada.
"Para casar é preciso
Siso....
"Olha que aquele demente
Mente,
"E para que te seduza
Usa
"Desses meios e promessas;
Essas
"Ele nunca as cumprirá
Ah!...
"Se eu o pilho à vontade
Há de
"Soltar a poder de murros
Urros!...
"Ah! tratante!... Velhacão!...
Cão!..."

A menina irresoluta
Luta
Em mil angústias mortais,
Tais,
Que iam quase sufocá-la!
Cala,
Mas enfim volta-lhe o alento
Lento,
E com a voz alquebrada
Brada:

"Minha avó, não vos zangueis:
Eis,
"Como o caso sucedeu:
Eu
"Já casei com esse inocente
Ente
"A quem votais tão seródio
Ódio,
"A ele, a quem agradei,
Dei
"O que mais uma donzela
Zela,
"Seu amor, sua fé constante
Ante
"Vosso vizinho compadre
Padre;
"Ele possui de antemão
Mão
"Que há muito tua netinha
Tinha
"Ao esposo bem-fadado
Dado."

Eis que a velha vocifera
Fera,
E de uma ferradura
Dura
Que o acaso ali mostrava
Trava,
E a menina desditosa
Tosa...
A netinha em gritaria
Ia
Pelos cantos obliquando
Quando
Vendo aberta uma janela
Nela
Procurando uma escapula
Pula,
E pela rua se vai!
"Ai!
"Tenho a cabeça quebrada
Brada,
"E para pedir socorro
Corro."

Nisto o vizinho compadre
Padre,
Bom pastor de vida obscura,
Cura,
Que com sua salvaguarda
Guarda
Das almas o sossegado
Gado
Ouvindo os descomunais
Ais,
Que a donzela que o acordava
Dava,
Da cama pula de um salto
Alto,
E a quem dele se socorre
Corre;
E diz à velha casmurra:
"Hurra!
"Perdão se eu sem estorvo
Torvo
"Pela sua casa adentro
Entro,
"Ó meu Deus! que de escarcéus
Céus!
"Que hoje o mundo vem abaixo 
Acho!...
"Esta casa já tão tarde
Arde
"Entre mil endiabrados
Brados!...
"Comadre, quem muito berra
Erra,
"E quem muito se arreganha
Ganha
"Com tamanha matinada
Nada,
"Vossa netinha inocente
Sente
"Dentro d'alma uns arrepios
Pios
"Por um rapaz que a merece.
Esse,
"Pelos laços do himeneu
Eu
"Já uni à sua amante
Ante
"O altar do Onipotente
Ente.
"Um do outro sem remissão
São.
"E não ser isto quimera
Mera
"Eu mesmo, que os enlacei,
Sei."

Do padre a fala singela
Gela
As fúrias da muxibenta
Benta,
E a ferrenha catadura
Dura
Em um instante quedou-se
Doce,
E todo aquele seródio
Ódio,
Qual palha aos golpes da foice,
Foi-se
Enquanto a pobre netinha
Tinha
Nos olhos cheios de mágoa
Água,
Lhe diz a vovó materna
Terna:

"Já que, como tu pudeste,
Deste
"Tua mão a esse inocente
Ente,
"Também dentro desta casa
Casa,
"Que eu darei a teu esposo
Pouso."

BERNARDO GUIMARÃES
(Ouro Preto, MG, 15/08/1825 – Ouro Preto, MG, 10/03/1884).
Foi um romancista e poeta brasileiro, conhecido pela autoria do romance “A Escrava Isaura”, sendo o patrono da Cadeira nº 5 da Academia Brasileira de Letras.

https://www.youtube.com/watch?v=jKifZhkH5aA&feature=youtu.be&fbclid=IwAR2lp7MvLjkeAWglOF_xwPZ7BaV9C2tqCdxqxTbqqdKjoF0F9xK41fqPaLo

Gostei muito deste site onde há mais…
https://sites.google.com/site/sitedobg/Home/biografia

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s